Paulistão: Carille elogia Clayson e explica opção por Jadson e Ramiro entre os titulares

O objetivo era evitar a repetição da pressão sofrida no segundo jogo da semifinal do Paulistão contra o Santos

Publicado em .

O objetivo era evitar a repetição da pressão sofrida no segundo jogo da semifinal do Paulistão contra o Santos

São Paulo, SP, 14 - O técnico Fábio Carille elogiou a atuação do atacante Clayson na primeira partida da final do Campeonato Paulista contra o São Paulo, no Morumbi, neste domingo, que terminou 0 a 0. Apesar do placar em branco, o treinador destacou as últimas boas atuações do atleta e disse que o atacante está confiante em campo.

"Ele teve muitos problemas não só profissionais, mas pessoais. O que mais me chama atenção do Clayson é a personalidade. Para jogar em time grande precisa de personalidade, e ele tem.

Não tive conversa com ele em particular, mas a partir do momento que manifestei a vontade dele continuar no clube foi um ponto forte. Ele desequilibra, tem o 'um contra um', uma bola parada boa. Está com confiança, por isso está jogando bem", afirmou.

Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
Foto: Rodrigo Gazzanel/Agência Corinthians
OBJETIVOS COM MUDANÇAS

Sobre as escalações de Jadson e Ramiro entre os titulares, Carille disse que o objetivo era aumentar a posse de bola.

O objetivo era evitar a repetição da pressão sofrida no segundo jogo da semifinal do Paulistão contra o Santos, quando o time perdeu por 1 a 0 e só assegurou a vaga na decisão nos pênaltis.

SUPERIORIDADE DO SANTOS INCOMODOU

"Me incomodou muito a superioridade do Santos. Não foi aquilo que a gente treinou, o que esboçamos para a partida não funcionou. No primeiro jogo, fomos melhor que o Santos. No segundo, o Santos foi muito melhor e isso incomodou bastante.

A ideia de escalar Ramiro e Jadson era ficar mais com a bola, trocar mais passes, incomodar o adversário. Ainda falta conjunto para melhorarmos na parte ofensiva", disse.