Cara de Rogério Ceni mostra um título sem sal do Flamengo

Time carioca perde do São Paulo, mas conta com ajuda do Timão

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Profissional ao extremo, a expressão do treinador Rogério Ceni, do Flamengo, logo após a conquista do título do Campeonato Brasileiro, foi, de forma inequívoca, de clara decepção. Coisa sem graça de quem dança com irmã em festa.

Quem ainda colocou dúvida nas imagens que o focaram após a derrota para o São Paulo por 2 a 1, no Estádio do Morumbi, a fala dele, entrevistado pela TV Globo, carimbou aos desconfiados: “Não foi do jeito que a gente queria”.

Claro que depois da agonia até o último minuto Rogério Ceni se soltou um pouco e até entrou na festa em campo, mas sem empolgação.

Título é título, contra-argumentam. A boleirada do Flamengo comemorou pra valer, desconsiderando palavras do comandante de que não foi do jeito que ele queria, até porque qualquer conquista fica gravada no currículo do atleta, além, claro, do prêmio gordo que cada um vai receber.

QUE DIFERENÇA!

Não bastasse isso, nem de longe o Flamengo repetiu aquela intensidade do caneco conquistado em 2019.

Agora, os astros foram ofuscados pela forte marcação do São Paulo.

Um jogo com o goleiro flamenguista Hugo falhando nos dois gols.

No primeiro, na cobrança de falta de Luciano, imaginou que o cobrador seria Daniel Alves e se adiantou na espera da cobrança sobre a barreira, mas a bola foi chutada por Luciano no canto em que teoricamente ele, Hugo, deveria estar posicionado.

No segundo gol, do atacante Pablo, houve precipitação na reposição de bola e ele acabou presenteando Daniel Alves, que colocou o seu companheiro em condições de marcar.

De prático para o Flamengo apenas o gol de Bruno Henrique, concluindo bola cabeceada pelo zagueiro Gustavo Henrique.

VALENTE CORINTHIANS

O que seria do Flamengo se não contasse na noite desta quinta-feira com o guerreiro Corinthians, que segurou o Inter em Porto Alegre, em jogo que terminou sem gols.

Como o Flamengo havia chegado aos 71 pontos, bastava o Inter vencer, mas não teve competência e prudentemente o VAR corrigiu erros da arbitragem que seriam decisivos neste jogo disputado no Estádio Beira Rio.

O pênalti apontado favoravelmente ao Inter foi corrigido porque a bola bateu no braço do meio-campista Ramiro, caído e com a mão no solo.

Yuri Alberto marcou para o Inter em impedimento e o gol foi invalidado.

Aos 54 minutos do segundo tempo, o bendito VAR flagrou com propriedade a posição de impedimento de Edenílson, do Colorado, e aí o torcedor teve que 'apagar o rojão'.

Que Corinthians guerreiro! Se faltou técnica sobrou garra contra um desesperado Inter.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos