Com família no exterior, meia da Ponte vive aflição em pandemia: 'Que estejam salvos'

Contratado em janeiro, Papa Faye tem contrato junto à Macaca até 30 de abril

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 27 (AFI) - Papa Diene Faye tem vivido dias de aflição e incerteza nas últimas semanas em Campinas.

O meio-campista da Ponte Preta, em período de quarentena, tem a esposa e a filha de dois meses em Senegal, além dos irmãos na França, em meio à pandemia do coronavírus.

"A minha família - esposa, minha filha, meus pais, irmãs e irmão - estão em Senegal. Eu tenho ainda uma irmã e um irmão vivendo na França. Falo com todos eles diariamente por Whats App, mas fico preocupado. Eu torço para que eles estejam salvos. Essa situação é triste para todo mundo", revelou o atleta, ao site oficial do clube.

Papa Faye estreou na Ponte em vitória contra o Afogados da Ingazeira - Álvaro Júnior / AA Ponte Preta
Papa Faye estreou na Ponte em vitória contra o Afogados da Ingazeira

ROTINA

O alastramento do vírus em Campinas também alterou a rotina de Papa, como é chamado entre os companheiros de elenco.

Além de não frequentar mais o CT do Jardim Eulina e fazer as atividades dentro de casa, o jogador de 23 anos deixou o alojamento em que morava no Estádio Moisés Lucarelli e passou a morar temporariamente com o ex-atacante Lucas Pereira, seu agente no Brasil.

"O Lucas e a noiva são uma família adorável. Eles estão cuidando de mim. A minha rotina, como a de todo mundo, mudou neste período de quarentena. Eu treino todos os dias, seguindo as orientações que recebo da Ponte. Assisto às notícias na TV, leio livros, assisto a seriados de comédia e converso com família e amigos pelo celular. Às vezes, jogo algum game no celular", contou.

MAIS

Contratado no início de janeiro, Papa tem contrato junto à Ponte Preta até 30 de abril. O meia fez sua primeira participação na vitória em cima do Afogados da Ingazeira, em 12 de março, quando entrou no segundo tempo e até recebeu aplausos da torcida.

"Fiquei muito feliz e muito entusiasmado com a estreia. No que depender de mim, quero permanecer na Ponte. É um time que eu já amo e pelo qual torço", declarou.

"Eu sei que o momento é difícil no Paulista, mas situações ruins ocorrem em todos os times. Com fé e trabalho duro, podemos reverter e sair vitoriosos. Eu sempre darei meu melhor e meu coração para levar o time para cima", finalizou.