Humberto Tozzi se despedia do Palmeiras há 59 temporadas

Peça fundamental na conquista do primeiro nacional do clube em 1960, ex-jogador fez seu último jogo diante do Peñarol

por Federação Paulista (FPF)

São Paulo, SP, 04 - Quem nunca sonhou em ser jogador de futebol? Agora imagine se despedir de um grande clube em uma final de Taça Libertadores da América. Há exatos 59 anos, Humberto Tozzi fazia a sua última atuação com a camisa palestrina na decisão sul-americana diante do Peñarol. O título não foi conquistado, mas o ex-jogador cravou o seu nome na galeria de grandes goleadores da história alviverde.

Contratado pelo Palmeiras em 1953, junto ao São Cristóvão-RJ, de sua terra natal, Humberto Tozzi chegou ao Palmeiras ainda aos 19 anos. Apesar da juventude, o jogador não se intimidou e foi artilheiro do Campeonato Paulista por duas oportunidades -1953 e 1954- com 22 e 36 gols respectivamente.

Por conta das atuações com a camisa do Palmeiras, Tozzi disputou os Jogos Olímpicos de Helsinque, em 1952, e a Copa do Mundo, de 1954. Na temporada de 1956, acertou transferência para a Lazio-ITA, onde foi um dos principais jogadores na conquista inédita da Copa da Itália de 1958, o primeiro título do clube.

Após idolatria em terras romanas, Humberto Tozzi retornou ao Palmeiras em 1960. Em sua segunda passagem pelo clube palestrino se tornou um dos líderes da campanha que culminou no primeiro título nacional do clube: a Taça Brasil de 1960. O goleador foi fundamental na semifinal diante do Fluminense ao balançar às redes aos 44 minutos do segundo tempo no Maracanã. Na final, ainda deixou seu gol na goleada sobre o Fortaleza-CE por 8 a 2.

Humberto Tozzi com a camisa do Palmeiras
Humberto Tozzi com a camisa do Palmeiras
Sexto maior artilheiro do Palmeiras, com 127 gols, Humberto Tozzi ainda defendeu o Fluminense e a Portuguesa, antes de pendurar as chuteiras em 1962. O ídolo palmeirense faleceu no dia 17 de abril de 1980, com apenas 46 anos.

DESPEDIDA
Humberto Tozzi vestiu as cores do Palmeiras por 138 oportunidades, com 88 vitórias, 21 empates e 29 derrotas. A última vez em que defendeu o clube foi no dia 4 de junho de 1961, na primeira partida da final da Taça Libertadores da América diante do Peñarol, no Uruguai. Naquela oportunidade, os uruguaios levaram a melhor com gol solitário de Alberto Spencer. Na volta, sem Tozzi, o empate por 1 a 1 deu o título aos estrangeiros.

Ficha técnica:
Peñarol 1 x 0 Palmeiras - Taça Libertadores da América – Final (ida)
Local:
estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai;
Data: 4 de junho de 1961;
Público: 64.376;
Árbitro: José Luis Praddaude (ARG);
Assistentes: Carlos Nai Foino (ARG) e Juan Brozzi (ARG);
Gol: Alberto Spencer, aos 44'/2º.
Peñarol: Maidana; Martinez, Cano, González e Matosas; Aguerre e Cubilla; Ledesma, Spencer, Sasía e Joya.Técnico: Roberto Scarone.
Palmeiras: Waldir de Moraes; Waldemar Carabina, Aldemar Santos e Djalma Santos; Zequinha e Geraldo da Silva; Julinho Botelho (Nilton Santos), Humberto Tozzi, Geraldo Scotto, Chinesinho e José Romeiro.Técnico: Armando Renganeschi.

*Por Luiz Minici,