Conheça Thomas Mavros, o super-goleador grego que completa 66 anos

Crescendo rapidamente na base do Panionios, estreou muito jovem e foi o jogador mais jovem a marcar um gol pelo 'Gregão'

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 31 - A Grécia não é exatamente um país conhecido pelo bom futebol. Os helênicos, porém, tem um título de Eurocopa, que é o grande feito da história do berço da civilização ocidental no esporte bretão.

No que se refere a seus clubes, Panathinaikos, AEK e Olympiakos já se aventuraram bem pela Europa, principalmente os alviverdes, finalistas de uma Liga dos Campeões. Internamente, porém, os gregos tem uma lenda artilheira pouco conhecida: o atacante Thomas Mavros, que completa 66 anos neste dia 31.

Crescendo rapidamente na base do Panionios, Mavros estreou muito jovem pelo clube e foi o jogador mais jovem a marcar um gol pelo campeonato grego. Também foi o jogador do país mais novo a atuar em um jogo por uma competição europeia, em partida diante do Atlético de Madrid, em dezembro de 1971.
Thomas Mavros
Thomas Mavros
Já em 1972 estreou pela Seleção Grega. Começou a ter números expressivos pelo Panionios na temporada de 1973/1974 e rapidamente chamou a atenção do AEK, que avançou para tentar tira-lo de seu clube de juventude.
Os aurinegros conseguiram isso graças a descoberta de que Mavros havia assinado seu primeiro contrato ainda sendo menor de idade, o que levou ele a ser invalidado e deixou o atacante livre para assinar pelo AEK. Foram 35 gols em 135 jogos pelo Panionios.

Foi pelos Énosis que Mavros viveria seu auge. Ja na primeira temporada, fez parte de um time que levou o clube grego até a semifinal da Copa da UEFA, onde acabou eliminado pela Juventus de Turim.

Marcou 21 gols naquela temporada, sendo o artilheiro da equipe. No biênio de 1977/1978, foi o grande destaque do time que conquistou o doblete nacional para o AEK. Na Copa da Grécia, marcou um dos gols na final diante do PAOK.

Na temporada seguinte, foi mais uma vez artilheiro do campeonato, com incríveis 31 gols e ajudou na conquista de mais um título. Também ficou, naquela temporada, na vice-artilharia europeia, atrás apenas do holandês Kist, do AZ Alkmaar.

Seus gols, principalmente os que marcava contra o Olympiakos, fizeram com que a torcida o apelidasse de "Deus". Continuaria marcando seus gols pelo AEK, mas não conquistaria mais nenhum título do Campeonato Grego em sua carreira.

Na teporada de 1982/1983, conquistou a segunda Copa da Grécia pelo clube amarelo e preto de Atenas. Em 1984, chegou a fazer parte do "World XI" que foi aos Estados Unidos jogar contra o Cosmos, levando 20 mil gregos ao estádio.
No biênio de 1984/1985, foi outra vez artilheiro da liga nacional, mas viu o troféu ir para o PAOK, que ficou três pontos a frente de AEK e Panathinaikos. Já experiente e vivendo certa decadência, deixou o AEK em 1987, para retornar ao Panionios, naqueles que seriam seus últimos anos dentro de campo.
A despeito da idade, fez ainda três temporadas muito boas pelo clube, sendo de novo artilheiro do Campeonato Grego na temporada 1989/1990, com 22 gols marcados. Pendurou as chuteiras na temporada seguinte, marcando um total de 51 gols em 89 jogos na sua segunda passagem pelo Panionios.
Viveu um momento histórico em 1989, quando teve seu nome cantado pela torcida do AEK ao marcar um gol contra o ex-clube. Com 260 gols em 501 jogos, ele ainda é o maior artilheiro da história do Campeonato Grego.
Terminou a carreira com 285 gols em 571 jogos. O nome de Mavros acabou aparecendo em páginas policiais quando o ex-atleta foi colocado sob custódia devido a problemas de dívidas com o Estado grego quando esteve na direção do AEK.
O ex-clube de Mavros viveu intensa crise financeira e chegou a ser rebaixado para a terceira divisão como punição por problemas financeiros. Renascido, conquistou o título nacional da temporada 2017/2018.