A fisioterapia em evidência no enfrentamento da Covid-19

Em alguns hospitais do Brasil, fisioterapeutas respiratórios e intensivistas têm recebido destaque nacional com criações de protocolos

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 01 (AFI) - Em meio a tantas discussões sobre métodos de tratamento para a atual crise de saúde que vivemos, em que não se conhece exatamente a “doença” e as formas que o agente agressor ataca a fisiologia do organismo, devemos nos dar conta de que os profissionais da “linha de frente” são os atores principais nesse combate e, por isso, vêm sendo chamados heróis. A eles a sociedade vem se mostrando agradecida, reconhecendo dia após dia seu valor.

Dentre médicos e enfermeiros que enfrentam as situações de emergência em saúde dentro dos hospitais, outros profissionais — que antes eram pouco reconhecidos nessas instituições — vêm ganhando destaque.

FISIOTERAPEUTAS

É o caso, por exemplo, dos fisioterapeutas que têm habilitação em fisioterapia respiratória e cuidados intensivos, em tratamentos de patologias que acometem os pulmões e em situações de internamentos em UTIs.

Eles são verdadeiros “pilotos” na direção de suportes ventilatórios que mantêm a vida, como os ventiladores mecânicos, indispensáveis máquinas a serem utilizadas neste momento de combate aos sintomas e afecções que a Covid-19 instala no organismo de pacientes por todo o mundo — especialmente em populações de risco e com condições crônicas de saúde.

CONSEQUÊNCIAS DA COVID-19

A pneumonia intersticial viral, marca registrada da Covid-19, resulta em insuficiência respiratória hipoxêmica grave, o que significa dizer que os pacientes encontram grandes dificuldades para oxigenar o corpo e seus vários sistemas, necessitando de ajuda temporária desses equipamentos até que o próprio organismo consiga debelar o invasor viral.

Embora a Covid-19 tenha trazido vários desafios “novos” ao sistema geral de saúde, o fisioterapeuta intensivista, especialidade estabelecida em todo o mundo, já possuía habilidades e competências para atuar frente a casos de vida e morte em unidades de terapia intensiva e também frente às afecções que cursam e evoluem nos pacientes graves.

FACILITAR RECUPERAÇÃO

Outras atuações profissionais do atendimento multiprofissional nesses internamentos são no sentido de minimizar as consequências da hospitalização e do tempo de internação, facilitando a recuperação desses pacientes.

O suporte ventilatório na Covid-19 inclui várias abordagens e inicia com a assistência à intubação orotraqueal, onde um tubo é instalado pelas vias aéreas para chegar aos pulmões e permitir que os ventiladores mecânicos controlem a respiração a partir de então.

O suporte e gerenciamento dessas máquinas é feito exclusivamente pelos fisioterapeutas nas UTIs, assim como a remoção das secreções, alterações de decúbito para melhorar trocas gasosas e desmame da ventilação quando o paciente tem seu quadro resolvido.

DESTAQUE NACIONAL

Em alguns hospitais do Brasil, fisioterapeutas respiratórios e intensivistas têm recebido destaque nacional com criações de protocolos, métodos e instrumentos para melhorar ainda mais as soluções em meio ao cenário de tratamento da doença.

Dentre protocolos de manejo e de ventilação mecânica compartilhados, surgem métodos inovadores de utilização das VNIs (ventilação não invasiva), objetivando diminuir a proporção de intubação dos pacientes e obter êxito durante o internamento.

É gratificante identificarmos que nossos profissionais, fisioterapeutas brasileiros, também exercem papéis de destaque no combate ao coronavírus. Além disso, todas as propostas de inovação vêm sendo valorizadas pelas categorias profissionais e instituições de classe e, por meio de estudos científicos que comprovem a efetividade e segurança, podem ou poderão fazer parte de novos protocolos de combate.

Nesse sentido, destaca-se aqui o valor profissional do fisioterapeuta no contexto de saúde atual e reforça-se a necessidade de atualização profissional constante, assim como necessidade da pesquisa científica dentro desse cenário a fim de continuarmos em constante desenvolvimento e evolução, o investimento em pesquisa e infraestrutura são prevalentemente cruciais para o salvamento de muitas vidas!

Continuemos com força, determinação, pesquisa, engajamento e conhecimento combatendo esse inimigo invisível!

Autoras:

Fernanda M. Cercal Eduardo é coordenadora do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Internacional Uninter.

Thayse Zerger Gonçalves Dias é tutora do curso de Fisioterapia do Centro Universitário Internacional Uninter.